Notícias

Dia Nacional de Combate ao Abuso de Crianças e Adolescentes

Nesta sexta-feira (18), das 9h às 16h, profissionais da Secretaria Municipal de Assistência Social estarão em uma tenda na Praça Conselheiro Rodrigues Alves, com atividades e informações sobre a exploração sexual de crianças e adolescentes, visando sensibilizar a comunidade.

Em sintonia com o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes – 18 de maio – a Secretaria Municipal de Assistência Social informa que tem uma proposta clara de identificação e enfrentamento desse fenômeno da violência em Guaratinguetá.

Para marcar essa data, profissionais da Secretaria estarão em uma tenda na Praça Conselheiro Rodrigues Alves, nesta sexta-feira, das 9h às 16h, com atividades e informações sobre o tema, visando sensibilizar a comunidade.

O secretário Antonio Carlos Prado de Almeida salienta que o CREAS – Centro de Referência Especializado de Assistência Social – é responsável pela atenção especializada de apoio, orientação e acompanhamento a pessoas e famílias que se encontrem em situação de ameaça ou violação de direitos.

Segundo ele, o Serviço de Enfrentamento à Violência, ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes, oferece acompanhamento e orientação de forma continuada, buscando assegurar proteção imediata e atendimento psicossocial às vítimas de violência (física, psicológica e negligência), abuso ou exploração sexual, bem como a seus familiares, oferecendo acompanhamento técnico especializado.

A psicóloga Jéssica de Sousa e a assistente social Daniele Barros Calheiros chamam a atenção para dados da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos que apontam mais de 2 milhões e meio de atendimentos pelo disque 100, que recebe denúncias de violência, até 2011. Desse total, 167 mil denúncias recebidas foram de Violência contra Crianças e Adolescentes.

No entanto, estima-se que apesar do número alarmante de denúncias, ele represente apenas 2% dos casos de violência sofrida por crianças e adolescentes no Brasil. Para as profissionais, é preciso que haja uma sensibilização maior do que é a violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes e orientações claras sobre como denunciar em caso de suspeita.

De acordo com o ECA (Estatuto da Criança e Adolescente), Violência Intrafamiliar constitui qualquer ação praticada por familiares ou responsáveis que tem como consequência danos físicos, sexuais ou psicológicos. As situações de abuso e violência nunca são isoladas, estão na maior parte das vezes inseridas numa dinâmica familiar.

Por isso, a residência é apontada como principal local em que crianças e adolescentes são vitimizadas. As denúncias podem ser apresentadas pelo disque 100, nas próprias Delegacias, Delegacias de Defesa da Mulher (DDM), no Ministério Público e no Conselho Tutelar de cada município.